quarta-feira, 3 de julho de 2013

GM e Honda se unem para criar bateria que funciona com hidrogênio

Montadoras já possuem pesquisas nessa tecnologia que não emite CO2.
Porém, custo ainda é alto e falta infraestrutura, admitem executivos.

General Motors e Honda desenvolverão em conjunto uma bateria que funciona com célula-conbustível de hidrogênio, com o objetivo de utilizá-la em seus veículos a partir de 2020. A aliança permitirá abordar dois grandes problemas que atualmente travam o desenvolvimento dos veículos elétricos: a redução dos custos e as infraestruturas adaptadas a esta modalidade de carro.
"Na GM consideramos que as baterias a combustível são uma alternativa possível às formas de propulsão mais tradicionais, capaz de reduzir a dependência do petróleo", comentou o vice-presidente do conselho de administração da montadora, Steve Girsky.
"O custo desta tecnologia, no entanto, não caiu o suficiente para que seja comercialmente viável. Também enfrentamos a dificuldade da falta de infraestruturas que permitam recarregar os veículos", completou.
"Entre todas as tecnologias que não emitem CO2, os veículos com baterias a combustível têm uma certa vantagem com uma autonomia e um tempo de recarga tão bons quanto os veículos com combustíveis tradicionais', opinou Takanobu Ito, diretor geral da Honda Motor.
Estes veículos emitem, de fato, apenas vapor de água e atualmente podem percorrer até 640 km com apenas uma carga, que consome apenas alguns minutos. Os automóveis convencionais que funcionam com energia elétrica, pelo contrário, demoram na recarga e têm menor autonomia de viagem.
GM e Honda pretendem cooperar no desenvolvimento das baterias a combustível propriamente ditas, assim como na área de tecnologia de hidrogênio, o combustível utilizado.
A montadora americana já desenvolveu pesquisas com esse tipo de tecnologia e detém a maioria das patentes que a envolve, mas acabou optando por lançar no mercado um carro híbrido (com motor a combustível e outro elétrico), o Volt. A Honda já produzidiu um carro a hidrogênio, o FCX Clarity, e é a segunda montadora com maior número de patentes dessa tecnologia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário