quarta-feira, 19 de junho de 2013

Pelo diploma, universitários encaram acesso complicado em Resende, RJ

Campus da Uerj fica às margens da Dutra, no Polo Industrial. Atualmente, 600 estudantes estão matriculados na universidade.

Às margens da via Dutra, em Resende (RJ), está o único campus da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) no Sul do estado. No Polo Industrial, a unidade de ensino responsável pela formação de engenheiros de produção divide espaço com indústrias e centros de logística. Para concluir a graduação e conquistar o diploma, além da tradicional aptidão por matemática e física, os 600 estudantes matriculados precisam de disposição para chegar à sala de aula.
A via que dá acesso ao bairro não possui faixas, placas ou calçada. “Procuro sempre andar acompanhada quando desço do ônibus. É muito deserto e perigoso. Temos sempre que ficar observando, para desviar dos carros e caminhões", relatou Laiane Campbell, moradora de  Volta Redonda, que cursa o 3º período de Engenharia de Produção. Ela e dezenas de colegas se arriscam diariamente no trecho de aproximadamente 200 metros entre a universidade e a rodovia. Fellipe Oliveira, colega de Laiane, detalhou o problema. "Vários alunos, que moram nas cidades vizinhas a Resende, como Barra Mansa e Porto Real, utilizam esse caminho. Descemos na beira da pista e vamos até a universidade. O jeito é redobrar a atenção e estar sempre alerta", disse.
Acesso complicado
O retorno sob a ponte do Rio Paraíba do Sul, único acesso ao bairro para o motorista que vem de São Paulo (SP), é estreito. O encontro com carretas, vindas de fábricas e centros logísticos, é praticamente inevitável. "Como a pista é estreita, os veículos maiores não conseguem ter ângulo suficiente para fazer a curva e acabam invadindo a faixa contrária", explicou Wolney Jardim, funcionário da Uerj, admitindo os sustos ao dirigir pelo trecho.

De acordo com quem passa pelo local todos os dias, o problema não tem hora. "O trânsito é intenso ao longo de todo o dia. O fluxo de carretas é grande e a falta de sinalização prejudica bastante. Estão colocando nossa vida em risco", desabafou Wolney. O transtorno aumenta nos dias de chuva, já que a lama e a velocidade dos carros complicam o caminho. "A visibilidade fica prejudicada e a travessia se torna ainda mais difícil", contou a bibliotecária Rogélia Ouverney, que mora em Quatis e utiliza o caminho diariamente.
Solução
Procurada pelo G1 a prefeitura de Resende informou que terão início na próxima quarta-feira (19) as obras de melhorias no acesso ao Polo Industrial, conforme compromisso firmado em reunião, realizada com a direção da Uerj na semana passada. No local está prevista a instalação de quebra-molas e sinalização vertical (placas indicativas) e horizontal (pintura defaixas). Já a CCR Nova Dutra, concessionária responsável pela rodovia, alegou que já foi encaminhado um estudo de melhorias na geometria do acesso para aprovação da ANTT (Agência Nacional de Transportes Terrestres). A concessionária aguarda a liberação do projeto para iniciar as obras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário