segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Parceria entre governo e setor privado cria 11 mil bolsas no exterior

O Ministério da Educação anunciou nesta sexta-feira duas parcerias com o setor privado que vão criar 11 mil bolsas de estudos no exterior para alunos de graduação, doutorado e pós-doutorado no Brasil, por meio do programa federal Ciência sem Fronteiras. Com foco nas ciências médicas, básicas (matemática, física, química e biologia), nas áreas tecnológicas e nas engenharias, segundo o ministro Aloizio Mercadante, o esforço é uma tentativa de minimizar as deficiências do País no desenvolvimento de tecnologias e na inovação no ramo da produção.

A parceria com a Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) é responsável por 6 mil bolsas, e as outras 5 mil serão custeadas pela Eletrobrás, num investimento de mais de US$ 300 milhões (cerca de R$ 600 milhões). O investimento será gradual: 10% em 2012, 22% em 2013, 30% em 2014 e 38% em 2015.

O critério para o aluno conseguir a bolsa será, inicialmente, o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). "Quem tirar, ou já tirou, mais de 600 pontos no Enem, pode, na hora que entrar na universidade, solicitar a bolsa do Ciência sem Fronteiras", explicou o ministro. Além dessa nota, será levado em conta o desempenho acadêmico do universitário. "O programa está assentado na meritocracia. Não é uma relação em que o professor ou diretor escolhe; é o desempenho do aluno que o credencia a participar."

Junto às 11 mil bolsas, o governo lança também o programa Inglês sem Fronteiras. "A demanda de línguas explodiu por causa do Ciência sem Fronteiras", justificou o ministro. Serão disponibilizados cursos e exames de proficiência de inglês para todos os 100 mil alunos que são elegíveis para o programa de bolsas. "A proficiência da língua é um problema que nós temos. O último edital teve uma demanda brutal por Portugal e Espanha. O que está por trás? Alunos competentes, brilhantes, que nunca tiveram chance de dominar a língua e se sentem intimidados", afirmou Mercadante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário