quarta-feira, 13 de junho de 2012

Professores do ensino superior federal decidem nesta quarta em assembleia se voltam às aulas


Após 28 dias de greve de professores de universidades federais, a cúpula do Ministério do Planejamento recebeu ontem os mestres para tentar pôr fim à paralisação de 53 instituições em todo o País. A proposta, que não foi divulgada até a noite desta terça-feira, será discutida em assembleia nesta quarta.
Também nesta terça-feira, estudantes, professores e funcionários administrativos de instituições de ensino superior  saíram ontem às ruas em várias capitais brasileiras para protestar contra os baixos salários e as condições de ensino
.No Rio, estão sem aula cerca de 141 mil alunos da Unirio, Rural, UFRJ e UFF, Cefet e Uerj. Ontem 4 mil manifestantes seguiram em passeata da Candelária até a Praça 15, complicando o trânsito no Centro da cidade.
A categoria quer revisão do plano de carreira e melhores condições de trabalho, agravadas com a expansão de vagas do Programa de Reestruturação e Expansão (Reuni). O Sindicato Nacional dos Docentes das Instituições de Ensino Superior denuncia o sucateamento das federais, com salas superlotadas, aulas em contêineres, falta de bibliotecas, laboratórios e restaurantes.
“A greve está forte e a mobilização aumenta”, disse Marina Barbosa, presidente da Andes. Segundo o MEC, o plano de carreira de professores e funcionários será implantado em 2013 e a categoria recebeu 4% de reajuste.
Vestibular da Uerj mantido
Os 84 mil estudantes inscritos no primeiro exame de qualificação do vestibular da Universidade do Estado do Rio (Uerj) não deverão ser prejudicados pela greve dos servidores, iniciada na segunda-feira.

Nenhum comentário:

Postar um comentário